UMA REFUTAÇÃO DO CETICISMO: FALIBILIDADE, NÃO IGNORÂNCIA

Por

Keith Lehrer

em

Theory of knowledge

Para sustentar o ceticismo, o cético deve tomar o argumento que se há alguma chance que S está incorreto em aceitar que p,então S não sabe que p.Na análise de conhecimento que temos articulado,esta premissa é inválida.Não é seguida da premissa que há alguma chance que S está incorreto em aceitar que p,que p não é verdadeira,ou que S não aceita que p,ou que S não está completamente justificado em aceitar que p,ou que a justificação de S é anulável.Ainda que S aceita que há alguma chance que ele esteja incorreto em aceitar que p,pode-se,no entanto,ser justamente razoável para ele aceitar que p em adição.

No interesse de obter verdade, pode ser razoável aceitar algo quando também aceita-se a falibilidade desse algo,isto é,aceitar que há alguma chance que este algo poderia ser errado.O cético no jogo da justificação pode sempre citar a chance de erro como um competidor no jogo da justificação,mas o jogador pode também neutralizá-lo.Nossa falibilidade é uma base insuficiente para a vitória cética.Podemos aceitar a premissa do cético concernente a chance conceitual e universal do erro implícito sem aceita a grave conclusão cética de ignorância universal.

Com esta resposta ao ceticismo daqui por diante, nós apressadamente notamos em algumas formas nossa posição está mais clara que a do cético, por mais freqüente quando pessoas afirmam sabe algo, elas afirmam saber por certo. Se elas sabem por certo, então aqui não deve existir chance que elas estejam erradas. Por isso, em concordar que há sempre alguma chance de erro, estamos concordando com o cético que ninguém jamais sabe por certo que alguma coisa é verdadeira. De mãos dadas com o cético nesta forma ganharemos pequenos aplausos dos dogmáticos que nunca duvidam que pessoas sabem por certo muitas das coisas que elas afirmam saber.

Assim nossa teoria do conhecimento é uma teoria do conhecimento sem certeza. Concordamos com o cético que se uma pessoa afirma saber por certo, ela não sabe o que fala. Entretanto,quando afirmamos saber,não fazemos afirmação para certeza. Conjecturamos que falar desta forma é um desvio do mais costumeiro uso da palavra “saber”. Comumente,quando pessoas dizem que elas sabem,elas sabem por certo e assumem que não há chance para algum erro. Esta suposição os habilita a derrubar confidencialmente as dúvidas céticas e pretende que eles procedam em graus de certeza. Uma tal pretensão oferece conforto e segurança nos afazeres práticos e depois,como bem na investigação científica.Todavia,é uma pretensão exposta pelo cético e repudiada por aqueles que falam a verdade.Nós,como o cético,admitimos ser uma chance genuína que algumas de nossas crenças podem ser falsas.Nós,como o cético,reconhecemos que há alguma chance,entretanto,pequena e remota,que as hipóteses são verdadeiras, que os céticos tem convencionado chamar suposições dogmáticas na dúvida.[…]

Somente nossa resposta ao cético é que, ainda se há alguma chance que alguma de nossas crenças possa estar em erro e, ainda se, portanto,não sabemos por certo que algumas delas são verdadeiras,contudo algumas dessas coisas nós aceitamos,estamos justificados em aceitar porque todos os competidores são derrotados ou neutralizados na base de nosso sistema de aceitação.É claro,que o que aceitamos pode estar errado – nós somos falíveis – mas se muito do que nós aceitamos está correto,então nossa justificação seria não anulável e teríamos conhecimento.Se estamos suficientemente corretos no que aceitamos,assim podemos distinguir entre quando nossa aceitação de alguma coisa é confiável e quando não é,então nós podemos saber o que acreditamos a despeito do risco de erro que nos confronta.Se nós fossemos massivamente enganados,como poderia ser se o demônio cartesiano fosse solto na terra,então nós poderíamos carecer de conhecimento.Entretanto, um demônio meramente imaginável não pode reduzir-nos a ignorância.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: