UMA DEFINIÇÃO DE JUSTIFICAÇÃO NÃO-ANULÁVEL

Por

Keith Lehrer

em

Theory of  Knowledge

Considere algum sistema, M, resultante da fabricação de um ou mais chances em um sistema de aceitação de um requerente,  que um cético pode requerer  em um ultra jogo de justificação. Suponha que eu estou pessoalmente justificado em aceitar que p. Se o cético pode requerer-me formar um sistema M com o resultado que não estou justificado em aceitar p na base de M, então o cético vence o jogo, e minha justificação é anulada. Se, por outro lado, minha aceitação é tal que tal sistema M não teve resultado que não estou justificado em aceitar p na base de M, então eu venço, e minha justificação é não-anulável.

Há obviamente um circulo de sistemas, M, resultantes de diferentes chances que o cético poderia requerer. Vamos chamar o círculo de tais sistemas o ultra-sistema de S em t. Podemos então definir justificação não-anulável como segue:

(ivd) S está justificado em aceitar que p de uma forma que é não-anulável se e somente se S está justificado em aceitar p na base de todos os sistemas que é um membro do ultra-sistema de S.

Similarmente, podemos definir o que significa dizer que um sistema M anula uma justificação pessoal de S para aceitar que p, como segue:

M anula a justificação pessoal se S para aceitar p se e somente se S está pessoalmente justificado em aceitar p, mas S não está justificado em aceitar p no sistema M quando M é um membro do ultra-sistema de S.

Deveria ser notado que não é necessário para uma pessoa saber que os membros do seu ultra-sistema estão para saber que ele teve justificação não anulável para aceitar algo e, portanto, saber que eles sabem. Uma pessoa levanta sua mão acima de seus olhos e aceita que tem uma mão, e ele também sabe que sua aceitação disso não depende de qualquer erro deles. Ele poderia não saber o que os membros do seu ultra-sistema são, mas ele sabe que qualquer deles levará sua justificação em aceitar que ele tem uma mão. Assim ele pode saber e saber que ele sabe. Como uma clara analogia, uma pessoa pode saber que uma série de teoremas dedutivamente válidos de axiomas não contem erros, ainda que ele não saiba exatamente que teoremas tem sido deduzidos, exatamente porque ele sabe que os axiomas são verdadeiros e que a pessoa que deduziu os teoremas não cometeria quaisquer erros. Uma pessoa pode saber que sem correção de erros em seu sistema de aceitação produzirá um sistema que anula sua justificação para uma afirmação específica, porque ele sabe que sua justificação para esta afirmação está baseada em verdades. Não é difícil saber que você sabe quando sua evidencia é boa o suficiente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: