Archive for the ‘RAT’ Category

LA NOCIÓN DE ALTERNATIVA RELEVANTE

julho 5, 2010

Por

Alejandro G. Miroli

em

Andamios v.4 n.7 México dic. 2007

La noción de alternativa relevante fue introducida por Fred Dretske (1970) en el marco de una respuesta al argumento escéptico moderno; dicho argumento se aplicó a lo que podemos llamar la teoría estándar del conocimiento; según la cual:

S conoce P ssi

(TEC1) Condición de creencia: S cree que p.

(TEC2) Condición de justificación: S tiene razones para creer que P.

(TEC3) Condición de verdad: P es verdadera.

Junto a estas condiciones se podía considerar la siguiente condición lógica:

(TEC4) Condición de clausura deductiva: El conocimiento está cerrado bajo implicación lógica: si P y Q son proposiciones y S conoce que P y cree que Q porque conoce que P implica lógicamente Q, entonces S conoce que Q.

Dada dicha teoría estándar, el argumento escéptico era el siguiente (Dretske, 1970: 1011):

1) Sé “Estoy parado leyendo un trabajo sobre alternativa relevante en ciencias”.

2) Si sé “Estoy parado leyendo un trabajo sobre alternativa relevante en ciencias” entonces sé “No estoy en un estado de decepción sensorial masiva, es decir, un cerebro en una cubeta, un sujeto soñando, una ilusión sensorial o ensoñación, un demonio que me engaña, etcétera”.

3) No puedo saber —no estoy justificando— si “Estoy en un estado de decepción sensorial masiva, es decir, un cerebro en una cubeta, un sujeto soñando, una ilusión sensorial o ensoñación, un demonio que me engaña, etcétera” es verdadero o falso, por lo que puede ser falso.

4) Ergo: No puedo saber —no estoy justificando— en saber que “Estoy parado leyendo un trabajo sobre alternativa relevante en ciencias”.

El argumento puede entenderse del siguiente modo: si no hay justificación para P y la carencia de justificación se trasmite deductivamente, entonces ello acarreará la carencia de justificación de Q, aunque Q sea una proposición que parezca evidente y que, en condiciones usuales de conocimiento, ningún actor epistémico negaría. Por ello, el argumento escéptico moderno se centra en mostrar la inconsistencia de las condiciones de justificación y de clausura lógica epistémica.

Fred Dretske tomó esta contradicción como problema por responder. Su punto de partida es el análisis de cierta propiedad lógico–material de ciertos operadores —prefijos oracionales que exigen construcciones complementarias de acusativo oracional.

El autor señala que hay una familia de operadores —por ejemplo “Es verdad que…”, “Es un hecho que…”, “Es necesario que…”, “Es posible que…” (Dretske, 1970: 1007)— que son operadores penetrantes (penetrating operator), pues para ellos se cumple en forma perfecta la siguiente propiedad: si P implica lógicamente Q entonces O (P) —siendo O una variable por cualquier operador penetrante— implica lógicamente O (Q). O sea, penetrabilidad es clausura deductiva. Pero una vez caracterizada esta propiedad se pregunta si hay operadores que no sean penetrantes o si hay grados de penetrabilidad. El examen de numerosos ejemplos lo lleva a sostener que hay numerosos operadores que sólo exhiben una penetrabilidad limitada —”Es extraño que…”, “Es accidental que…”—, de modo que la penetrabilidad define tres familias de operadores: aquellos que pueden ser completamente penetrantes, los semi–penetrantes y aquellos que no tengan penetrabilidad (Dretske, 1970: 1009). Establecido esto, su interés es defender el carácter semi–penetrante de los operadores epistémicos, precisamente para probar que no se les aplica dicho argumento escéptico, ya que “If these operators were no penetrating, many of these objections <los argumentos escépticos que atacan a C2 a partir de C4> might be irrelevant” (Dretske, 1970: 1012), ya que dichos argumentos explotan precisamente la inconsistencia presunta entre TEC2 y TEC4. Dretske tiene que sostener que los operadores epistémicos son semi–penetrantes, porque hay casos obvios en los que opera la clausura, por ejemplo (Dretske, 1970, 1009): si conozco que Juan y María son marido y mujer (= están casados) entonces conozco que María está casada (Conozco (P Q) y (P Q) Q entonces Conozco Q).

En ningún caso la semi–penetrabilidad o no–penetrabilidad será defectiva (i.e. los casos de impericia lógica o desconocimiento lógico) sino que los operadores epistémicos son semi–penetrantes aun en condiciones de omnisciencia lógica (Dretske, 1970: 1010).

Luego de analizar diversos ejemplos, Drestke explica el grado o ausencia de penetrabilidad a partir de dos elementos básicos de los operadores doxásticos y epistémicos:

(1) PRESUPOSICIONES: “The general point may be put this way: there are certain presuppositions associated with a statement. These presuppositions, although their truth is entailed by the truth of the statement, are not part of what is operated on when we operate on the statement with one of our epistemic operators. The epistemic operators do not penetrate to these presuppositions <de modo que> The fact that the epistemic operators do not penetrate to these presuppositios is what helps to make them semi–penetrating” (Dretske, 1970: 1014).

Dretske ilustra esto con el siguiente caso: S ve la cafetera humeando y escucha la tapa titilando dejando escapar vapor. Con esos datos S sostiene que el café está hirviendo, pero, al afirmarlos, la relación que hay entre (a) y (b) no es de consecuencia lógica, sino la relación de tener por seguro (granted) asumir o presuponer. De ese modo, la relación (a) presupone (b) puede describirse del siguiente modo:

(a) “El café está hirviendo” s (b) “Es café lo que está hirviendo en la cafetera”.

“El <líquido que tiene el utensilio llamado cafetera en condiciones normales de empleo = café> está hirviendo” “Es café lo que está hirviendo en la cafetera”.

En este caso la presuposición que está incluida en el término sujeto permite garantizar (b), pero no implica lógicamente (b), pues lo que (a) implica es (b*) “Es <el líquido que tiene el utensilio llamado cafetera en condiciones normales de empleo = café> lo que está hirviendo en la cafetera”. Por consiguiente, tal presupuesto no es alcanzado por la implicación lógica y, por ello, permite imputar una contradicción en TEC1–TEC4.

Además de las presuposiciones, el autor explora otro rasgo de los operadores deónticos y epistémicos que los hace semi–penetrantes: la existencia de aquello que él llama consecuencias contrastivas (contrast consequences).

ALTERNATIVAS RELEVANTES, RASTREAMENTO DA VERDADE E FECHAMENTO EPISTÊMICO

abril 13, 2010

Por

Elke Brendel e Christoph Jäger

em

Contextualist approaches to epistemology: Problems and prospects

Uma teoria de conhecimento que tem sustentado um maior impacto sobre as recentes abordagens contextualistas é a chamada “Teoria das Alternativas Relevantes” proposta primeiro por Fred Dretske no primeiro artigo de 1970 e mais desenvolvida por Gail Stine e outros. De acordo com Dretske, o sujeito epistêmico S sabe que p(no tempo t) somente se S está em uma posição epistêmica que lhe permita eliminar todas as alternativas relevantes para p(em t). Uma proposição q é uma alternativa para p exatamente no caso que q implica não-p. Ainda, de acordo com Dretske não é necessário, para saber p, que alguém deva ser capaz de excluir todas as alternativas para p.O que é requerido em vez disso é meramente a habilidade para eliminar ou excluir certas alternativas relevantes. Desta maneira, o que faz uma alternativa relevante? Isto depende duma situação epistêmica. Durante uma visita ordinária ao zoológico, a possibilidade que você toma para ser zebras são mulas espertamente disfarçadas é uma alternativa irrelevante, e assim não é necessário que você seja capaz de excluí-la, segundo as regras, para saber que os animais são zebras. Mas, agora suponha, por exemplo, que é bem conhecido que o diretor do zoológico, para poupar dinheiro, freqüentemente disfarça animais comuns como animais exóticos e ocasionalmente coloca mulas espertamente disfarçadas no prado da zebra. Nesta situação, a alternativa mula torna-se relevante e poderia parecer que você não sabe que os animais que você está olhando são zebras, a não ser que você possa excluir a possibilidade que eles são mulas espertamente disfarçadas – ainda se eles são de fato zebras.

O cenário da mula pintada de Dretske é uma situação de ceticismo local ou restrito – neste caso aparece o ceticismo se alguma situação particular parece ser confiável – ameaça alguma afirmação de conhecimento. Mas sua explicação é também designada para prover uma resposta aos argumentos céticos globais ou radicais tal como o notório argumento do cérebro na cuba:

BIV (brain-in-a-vat)

(1) Eu não sei que não sou um cérebro na cuba.

(2) Se eu não sei que não sou um cérebro na cuba, então eu não sei que eu tenho mãos.

(3) Eu não sei que eu tenho mãos.

O paradoxo cético consiste no fato que tais argumentos são validos e uso das premissas parecem intuitivamente verdadeiras. Contudo, nós não estamos dispostos a aceitar as conclusões. A resposta original de Dretske é, muito áspera, que os cenários céticos são alternativas irrelevantes. Sendo assim, a premissa (2) do argumento acima torna-se falsa.

Adicionar a esta visão o que conte como uma alternativa relevante é determinado pelas alternativas que são salientes para a pessoa que atribui a atitude epistêmica (ou carece disto) ao sujeito, e a posição que você chega ao contextualismo atributivo. Em sua contribuição a esta publicação, Dretske explicitamente distancia de si mesmo tais formas de contextualismo(que ele chama de contextualismo radical). O porquê da influência profunda que sua teoria tem sustentado sobre estas formas de contextualismo,entretanto,sua visão pode bem ser chamada de um tipo de proto-contextualismo . Vamos voltar a posição de Dretdke abaixo.

Outra teoria de conhecimento extremamente influente é a análise do “rastreamento” de Robert Nozick. A questão de se S sabe que p numa dada situação depende, de acordo com Nozick,não somente em S tendo uma crença verdadeira que p.Em particular,dois condicionais subjuntivos devem ser satisfeitos:(1)Se p tem sido falso,S poderia não ter criado que p,isto é,S sabe que p somente se,nos mundos próximos possíveis em que p é falso,S não creria mais que p;e (2) se p fosse verdadeira,então S poderia ter crido que p,isto é,em todos os mundos próximos que p fosse verdadeira,S creria que p.Dada estas condições,S pode saber que ele tem mãos,ainda que S não saiba que ele não é um cérebro na cuba: alguém do mundo próximo possível em que S não tem mãos é um mundo em que S,por exemplo,perdeu suas mãos em um acidente;e neste mundo ele poderia não crer que ele tem mãos.Alem disso,em todos os mundos próximos em que é verdadeiro que S tem mãos,S crer que ele tem mãos.Desde que a crença de S que eles tem mãos satisfaça ambas as condições de rastreabilidade da verdade,segue-se da teoria de Nozick que S sabe que ele tem mãos.Entretanto,S não sabe que ele não é um cérebro na cuba,desde que nos mundos próximos possíveis em que S é um cérebro na cuba(leva-nos a assumir que S não é alguém do mundo atual)S poderia,ainda assim, crer que ele não é um cérebro na cuba. Assim, nossas afirmações ordinárias de conhecimento, como na teoria das alternativas relevantes, poderia, ainda assim ser verdadeira,ainda se nós não sabemos que as hipóteses céticas são falsas.

Uma conseqüência das teorias de Dretske e Nozick é a falha do que se considera como um principio epistêmico extremamente plausível, chamado, o principio de fechamento epistêmico (PEC).De acordo com o PEC, conhecimento está fechado sob implicação lógica conhecida. A PEC pode ser aproximadamente estabelecida como segue:

PEC: Se S sabe que p e sabe que p implica q,então S também sabe que q.

A implicação cética apela para a PEC quando ele argumenta como segue: desde que nós não saibamos que não somos cérebros em cubas, e desde que nós claramente sabemos que temos mãos implica não sermos um cérebro na cuba, segue-se que nós não sabemos que nós temos mãos. Visto então que razões similares podem ser aplicadas para qualquer outra proposição sobre algum fato ordinário, a conclusão cética que nós não temos qualquer conhecimento de tais fatos.

Agora, como já temos visto, a teoria de Nozick implica que nós podemos saber que nós temos mãos sem saber que nós não somos cérebros em cubas, embora nós saibamos quer ter mãos implica não ser um cérebro na cuba. Rejeitando também a PEC permite Dretske evitar as conclusões do ceticismo radical. Em seu artigo clássico sobre o tema, Dretske argumenta que a PEC assegura-se somente quando a implicação da negação da proposição é uma alternativa relevante para a proposição em questão.Alem disso,desde,pelo menos em situações cotidianas,sendo um cérebro na cuba não é uma alternativa relevante para ter mãos,nós não precisamos saber que não somos cérebros em cubas para saber que nós temos mãos – ainda que nós claramente saibamos que ter mãos implica não ser um cérebro na cuba.Num recente trabalho,Dretske coloca adiante esta visão,ainda em contextos que as alternativas céticas são relevantes ,rejeitando um principio de fechamento irrestrito como uma resposta apropriada ao cético.Com respeito as implicações “peso-pesado” tais como a negação das hipóteses céticas,ele mantêm que o fechamento não assegura ainda quando tais hipóteses tem tornado-se salientes.

Queiramos ou não com respeito as hipóteses céticas como alternativas relevantes,o problema se mantêm com as teorias de Dretske e de Nozick,é que rejeitar a PEC é um alto preço para resolver o problema cético.A PEC é depois de tudo um principio extremamente plausível de aquisição de conhecimento.DeRose afirma que não sabemos que somos cérebros em cubas,enquanto ao mesmo tempo sabemos que temos mãos,é uma “conjunção abominável” e um “resultado intuitivamente bizarro”.Contextualismo conversacional,defendido por Cohen,Lewis, e DeRose,tentam resolver o problema cético apelando ao contexto-sensitivo de conhecimento sem afirmar o fechamento.

¿COMO DETERMINAR LA RELEVANCIA DE UNA ALTERNATIVA?

dezembro 16, 2009

LA RESPUESTA DE COHEN

Una de las maneras que Stewart Cohen mira la cuestión de la relevancia de las alternativas que son contrarias a la creencia final del sujeto, es que eso debe ser entendido en términos de probabilidad.

Así, una alternativa es irrelevante cuando es improbable o epistémicamente insignificante. Cuando una alternativa tener una gran probabilidad de ocurrir, ella es relevante. De esta forma, el límite para la relevancia es la probabilidad de ocurrencia de las alternativas.

Él también propone que relevancia epistémica puede ser entendida en términos de saliencia, es decir, una alternativa es relevante cuando S pasa a dudar si ella es realmente verdadera o falsa. Por lo tanto, una alternativa se torna relevante a medida que S da atención a ella.

Luego, en casos que nosotros, normalmente, atribuimos conocimiento, la probabilidad del erro es mínima, siendo que en estos casos no hay alternativas relevantes.

Referencias

COHEN, S. How To Be A Fallibilist, Philosophical Perspectives, 2, ed. J. Tomberlin: p. 91–123. 1988.

COMO DETERMINAR A RELEVÂNCIA DE UMA ALTERNATIVA?

dezembro 8, 2009

A RESPOSTA DE DRETSKE

Em um texto anterior, destacamos que um dos questionamentos que se faz a Teoria das Alternativas Relevantes(RAT), é sobre qual o critério que deve ser utilizado para distinguir as alternativas relevantes das irrelevantes. Fred Dretske, um dos defensores da RAT, propôs uma forma de se determinar a relevância ou irrelevância de uma alternativa para a crença em questão.

Sua sugestão pode ser esboçada do seguinte modo: digamos que q seja uma alternativa para p, q só será uma alternativa relevante para p, somente havendo algum motivo para pensar que q é verdadeira, ou pelo menos, pode ser verdadeira.

Uma alternativa é definida como irrelevante, quando não há motivos para pensar que a contrária lógica é verdadeira. De forma que, q é uma alternativa irrelevante para p, quando não há razões para duvidar da falsidade de q.

Dretske acrescenta que, ter razões para duvidar da verdade da crença em questão, não é condição necessária para que haja uma alternativa relevante à esta crença, mas pode isso pode ser suficiente para transformar uma alternativa em alternativa relevante.

A TEORIA DAS ALTERNATIVAS RELEVANTES

dezembro 5, 2009

É uma das teorias mais recentes na epistemologia contemporânea e que tem gerado amplas discussões tanto numa tentativa de propor um conceito de conhecimento, como uma resposta ao ceticismo.

Esta teoria defende que para a nossa crença que p, há contrárias lógicas a esta crença. Estas contrárias lógicas são alternativas para nossa crença que p. Assim, uma proposição é uma alternativa para p, quando p implica a falsidade desta alternativa. Esta alternativa pode ser classificada como relevante ou irrelevante.

A proposta dos teóricos desta teoria é que para que S saiba que p, a evidência de S precisa excluir somente as alternativas relevantes para p. De modo que, S obtêm conhecimento mesmo que a sua evidência não exclua as alternativas irrelevantes para p.

Uma das críticas contra esta teoria, que tem sido feita por Jonathan Vogel, é que a teoria não diz o que faz uma alternativa ser relevante ou irrelevante. Além de que, os teóricos da RAT não definem o que é relevância. Cabe ainda questionar o que é, de fato, excluir uma alternativa.